oficina de poesia e geociências:
margens indomáveis

Nessa oficina de poesia, buscamos costurar relações que têm a ver com aquilo que somos capazes de inventar como potência de vida. Para isso, trabalharemos com o poema e o território, e suas relações, de diversas formas: uma tentativa de ler os poemas como uma “escrita da terra”.

 

O poema como espaço não só de grafar a terra, mas de inventar terras possíveis. A oficina se pretende em 4 encontros (via Google meet), nos quais trabalharemos com a leitura de poemas e outros materiais, além de espaços participativos para mobilizarmos trocas afetivas, pela leitura dos poemas feitos a partir dos exercícios da oficina.

insta chamada-02 (1).jpg

Nesses encontros, vamos experimentar os limites do poema e do território, e também tentar perceber o poema como um exercício de topografia ou relevo, através da percepção, em poemas escritos e falados, das diversas camadas que utilizam para construir sentido. Da poesia à paisagem, como o relevo molda e organiza a disposição da vida e formas sociais inscritas no espaço. Também trocaremos os entendimentos a respeito de (T)terra, território, espaço, e por aí vai.

A oficina será ministrada por Daniel Grimoni e Talita Gantus. Saiba mais acessando o programa da Oficina abaixo.

Devido à alta procura e ao número reduzido de vagas por turma - para que haja uma interação maior com as/os participantes -, abrimos uma nova opção de horário.

 

Ambas as opções possuem 1 bolsa integral para pessoas negras, indígenas e trans.

insta chamada-04.jpg