rio de janeiro, 20 de outubro de 2019

Walking Tour Geológico: Uma viagem pelo tempo profundo

A atividade proposta pretende contextualizar a cidade do Rio de Janeiro na linha do tempo geológico por meio de um free walking tour. O passeio se inicia no centro histórico da cidade, onde os edifícios e a pavimentação das ruas contam a história do uso e da exploração dos recursos naturais, retratando a evolução do espaço urbano ao longo de mais de quatro séculos.

Vamos discutir como a geologia e a geomorfologia atuaram (e atuam) como fatores condicionantes no processo de ocupação, desde a instalação do primeiro centro urbano até os dias atuais. Utilizando-se de justificativas de cunho sócio-econômico travestidas de arquitetônico-paisagista, as elites no poder se apropriaram das áreas centrais e praiais da cidade, empurrando as populações marginalizadas para áreas periféricas, geralmente em encostas de morros. Essas áreas, que já possuem maior predisposição aos movimentos de massa, têm seu risco acentuado devido ao processo de ocupação desordenado, que retira a cobertura vegetal e impermeabiliza o solo, causando ou agravando a desestabilização das encostas. Como a vulnerabilidade social, em áreas de suscetibilidade, é um dos fatores agravantes do risco à desastres, a população socialmente marginalizada sofre mais com os impactos dos desastres naturais.

Acreditamos que (re)conhecer - e observar de distintas lentes - o espaço geográfico que habitamos é o primeiro passo para construirmos comunidades mais sustentáveis. 

Propomos, ao final do tour, uma roda de debate com lanche coletivo no Parque das Ruínas para elucidar esses pontos. Nesse local podemos avistar grande parte da Zona Norte, da Zona Portuária do Rio, e dos bairros Centro e Botafogo. Vamos recapitular os temas importantes discutidos e trazer perspectivas futuras sobre como as geociências podem auxiliar no cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU para a construção de cidades resilientes a desastres 'naturais'. 

Os 5 períodos importantes que foram destacados: 

  1. o período de formação das rochas que compõem o substrato rochoso da cidade do Rio;

  2. o início da formação do relevo brasileiro e seus principais elementos locais ; 

  3. a chegada dos portugueses, o início e o avanço da urbanização - a colonização e o desmonte dos morros, e o aterramento de várzeas e lagos

  4. o presente: o processo de marginalização de parte da população e sua remoção para zonas periféricas e a relação com o atual risco geológico-geotécnico;

5. perspectivas futuras: como as geociências podem contribuir para a construção de uma cidade mais sustentável e resiliente?

 

Trajeto sugerido: encontro na Praça XV, em frente ao Arco do Teles. De lá, seguiremos pela Rua Sete de Setembro até a Av. Rio Branco - ponto de parada na Cinelândia. Passaremos pelo Teatro Municipal e viraremos à direita na Rua Evaristo da Veiga. Seguiremos direto até os Arcos da Lapa (ponto de parada), subiremos pela Escadaria Selaron até o Parque das Ruínas (ponto final), passando pela Ladeira de Santa Teresa. O total da caminhada é de cerca de 3 km.

 

O que levar: água, lanche para compartilhar, chapéu, protetor solar, calçado apropriado para caminhada, muita animação e espírito curioso :)

 

Nível de dificuldade: Fácil - Moderado

A caminhada será feita, em grande parte, sob o sol, em ruas de pavimento de pedra, com escadas e degraus. Ao final da atividade, realizaremos um piquenique (com os lanches que nós e os participantes levaremos) com uma roda de conversa para fechamento da expedição.

 

O evento é aberto para todos os públicos, porém:

- não apresenta nenhuma acessibilidade (infelizmente);

- será ministrado em português;

- não temos limite de idade, porém, aconselhamos que menores de 14 anos estejam acompanhados por responsáveis.

#viradasustentavel

#viresuacidade

#euvirorio

  • a_Ponte
  • iconfinder_social-whatsapp-circle_401733
  • Instagram
  • Twitter
  • Facebook
  • LinkedIn
  • YouTube